Tomás Abreu                   Exhibitions         Works         Outdoor         Films      


Nuvens, bolhas e sopa


2.6 - 1.7.2023

Armazém Fundo, Livaria Térmita, Porto

Uma exposição com luz natural, pinturas e uma sopa.
Lá fora, ao ar livre, duas bolhas interligadas movem-se ao vento.





















Soup
Pot, cianobacteria, recipe, device, 40x50x4

Morning air
Painting on canvas, 72x63x3

Midday air
Painting on canvas, 102x82x4

Afternoon air
Painting on canvas, 94x76x4

Late afternoon air
Painting on canvas, 102x82x4

End of day air
Painting on canvas, 94x76x4

Air bubbles
Air, PVC, wire, variable dimensions
Installation at Térmita Bookstore

Free air bubbles
Air, PVC, wire, variable dimensions
Outdoor installation at Largo Mompilher












































































Reemergir numa sopa.
Viver em transparência e em paralelo.
Tudo oscila fora de padrões temporais.
Lençóis em camadas cobrem as cidades. Ar e água.
        O calor sobe.
    Veias nas mãos. Veias nas folhas.
    Artérias nas raízes. Veios nos rizomas.
Lágrimas e sangue. Coral.
Micélio e esporos.
Baloiço e moinho.
Pedra, caminho e estrada.
        Traqueias.
Tensão superficial. Ondas e oscilações.
        Ar e saliva.
                    Amoras e alvéolos.
                    Suturas e meandros.
Súbita fervura. Efervescência visceral.
Formas intricáveis dentro de um abaulamento.
        Convecção e magnetismo.
        Plasticidade de eletroquímicos.
        Auto regulamento. Metamorfose.
        Ser-se solar em efémeras transformações.
              Bolhas inconto-mensuráveis.
              Bolha de marés.
               Nadar.
Pele.
              Sopra-se terra.
A poeira que tapa ossos voa alto e assenta na espuma.
Esponjas de soro e espinhas de cálcio sussuram histórias.
        Sentir frio. Ser-se volátil.
        Sair da camada limite da linguagem.

Respirar.